Como é feito um Sapato Vegan

Esta semana queremos partilhar convosco as maravilhas dos sapatos vegan.

Neste artigo podem ler tudo sobre a indústria do cabedal, e o porquê de optarmos por outro caminho.

Como sabem o veganismo é mais do que uma dieta. É um estilo de vida que defende métodos amigos do ambiente, dos animais e das pessoas. A slow fashion e a economia circular correm-lhe no sangue. A prosperidade e a liberdade que nutre ao passar é o que nos inspira todos os dias.

Somos um ser que existe em comunidade, dependente da Natureza que precisa de uma mudança de paradigma. A nossa felicidade e paz interior estão ligadas a toda à vida do planeta, e os pequenos gestos podem mudam realmente o mundo á nossa volta.

Uma manhã de voluntariado, um almoço no 26 Vegan Project, uma ida ao mercado sem sacos de plásticos, um vestido grunge em 2a mão acompanhado de uns fervorosos sapatos vegan. Pode parecer um passo pequeno para uma pessoa, mas é um passo gigante para uma sociedade em que o Amor passa a ser a força vencedora.

Os sapatos Vegan são parte de uma indústria que pretende deixar os animais a viver as suas vidas em paz, contribuindo para o bem-estar das populações com que interage, quer sejam clientes ou trabalhadores, tendo sempre em conta o seu impacto ambiental.

É por isso que adoramos e procuramos sempre estar o mais próximo possível de uma economia circular. Falamos disso no artigo sobre o Piñatex, um material derivado de folhas de ananás cultivado de forma sustentável, onde não são usados químicos, para além de serem reciclados e reutilizados. Um processo sem desperdício, onde os trabalhadores são devidamente renumerados e respeitados.

O Sr. Luís Couto, responsável da fábrica da Trofal, uma das fábricas com que trabalhamos, explica como produz os nossos sapatos Vegan:

1- Corte: rigoroso controle de qualidade em todos os componentes para certificar que não entra na sua confeção nenhum resíduo proveniente de couro ou de outra origem animal. Há materiais que têm que ser cortados á mão para serem precisos e manterem a forma necessária ao conforto do pé.

Costura : cosido com fios orgânicos de alta resistência com ajuste apropriado de cada máquina ao material a coser, com testes pormenorizados para cada produto.

Montagem. Tudo cosido pelo processo ” goodyear welted ” onde tudo é preparado ao pormenor num processo artesanal onde entre cortiça em placa de 4mm de espessura entre a palmilha e a entressola, para garantir o isolamento térmico e o conforto. Este sistema de cosido por diversas fases não necessita de colas agressivas, pois é o cosido que segura os diversos componentes. As máquinas tem que ser afinadas ao pormenor para trabalharem com estes materiais específicos e garantirem conforto e durabilidade.

Acabamentos: Os acabamentos são feitos com pomadas naturais e tintas de base aquosa, mantendo o princípio da sustentabilidade.

No processo ” Goodyear welted” cada par envolve cerca de 180 operações, muitas delas feitas á mão, é um processo moroso que garante o regresso ás origens do calçado artesanal onde o ambiente e o principio da sustentabilidade é respeitado.

Os nossos materiais preferidos são a cortiça; o Piñatex, derivado de folhas de ananás; o PET reciclado, o algodão orgânico certificado, e o cabedal vegan. Os critérios de escolha têm a ver com a sua sustentabilidade, ética e versatilidade. A plasticidade e durabilidade destes materiais possibilita a criação de todo o tipo de calçado. Desde os ténis mais in desta temporada, às botas de cano alto de linhas clássicas, não esquecendo o sapato formal, a bota de montanha nem a bota militar. Abdicar do nosso estilo pessoal não tem de ser algo inerente ao veganismo, muito pelo contrário! Existem cada vez mais artigos de boa qualidade, duradouros, de um design impecável, que tornam qualquer guarda roupa monótono numa festa inesquecível!

É importante estar atento, ler sobre as marcas que escolhemos, perceber exatamente que material e que género de processo de produção é que estamos a apoiar, pois isso é vital para o nosso futuro.

As marcas que nos rodeiam são compostas de pessoas que apenas estão a tentar o seu melhor, e que, com a nossa ajuda enquanto, mais do que consumidores, cidadãos ativos e informados, se podem tornar incríveis!

Sermos críticos e ativos, questionando as nossas marcas preferidas fará com que estas se apercebam que só têm a ganhar se responderem às novas necessidades dos seus clientes. Nunca foi tão fácil utilizarmos o nosso poder como consumidores, nem nunca tantas marcas se mostraram abertas a este tipo de mudanças.

Tenham um dia incrível,

NAE

Did you like this blog post? Share it on your favorite social network and don't forget to follow us.

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *